Vida emocional do feto

Vida Emocional do Feto

 

feto

 

Você sabia que em alguns Estados a violência doméstica que afeta o feto é considerado abuso infantil?

A Vida Emocional do feto é conhecida como Psiquismo Fetal ou Psicologia Pré-Natal.

Países como Hungria, Alemanha, Japão, Irã, Índia e os escandinavos, que promovem a preparação para maternidade e paternidade conscientes já verificaram os efeitos sobre a saúde física e social.

Em 15 anos, a Suécia baixou radicalmente o suicídio de jovens, a drogadicção e o crime; em 13 anos, 80% da concepção na Holanda é desejada, e em novembro de 2013 fechou-se a 8ª. penitenciária, coisa que se verifica noutros países.

 
– Indicação de livro:

  • O Bebê do Amanhã – A vida emocional do feto

Thomas Verny, o famoso psiquiatra do livro A vida secreta da criança antes de nascer, agora, lança no Brasil, seu mais novo livro. Nessa obra, ele descreve as mais revolucionárias e inovadoras informações científicas sobre a relação mãe e feto. Uma criança, quando nasce, já traz memórias dessa grande experiência que dura 9 meses numa aventura amniótica.

Além de ser uma obra/referência para várias áreas do conhecimento (psiquiatra, pedagogia, ginecologia, biologia, psicologia, pediatria) é escrito de forma comovente os diversos exemplos e regressões de pacientes ao período intrauterino, descrevendo, em detalhes, suas experiências pré-natais.

A pesquisa prova que, no decorrer dos primeiros anos de vida, o cérebro do bebê sintoniza-se constantemente com o cérebro da pessoa que cuida dele para produzir os neurotransmissores e hormônios certos na sequência apropriada; essa programação determina, em grande medida, a arquitetura do cérebro que o indivíduo vai ter durante a vida toda. Tudo o que a mãe grávida sente e pensa é comunicado por meio de neuro-hormônios a seu filho por nascer, tão inevitavelmente quanto lhe são transmitidos o álcool e a nicotina. Os primeiros indícios do cérebro da criança por nascer surgem com a aparência do “sulco neural” ao longo do embrião em crescimento, mas ainda minúsculo, cerca de 17 dias depois da concepção.

Mesmo que inconsciente, o fluxo constante de mensagens verbais e não-verbais enviados pelos pais e outros responsáveis interage com a biologia para regular o crescimento do cérebro.

Toda vez que uma criança é traumatizada ou sofre maus tratos, a integridade do circuito é ameaçada; se o trauma for muito profundo, a arquitetura do cérebro ficará lesada de forma permanente.

Sim, é preciso se preparar para ser pai e mãe consciente. Todos nós nascemos com marcas da concepção indesejada (50% da população do mundo), e é fundamental compreender que é preciso cuidar e curar a criança ferida que habita em nós, para não as repetirmos em nossos filhos, pois somos escravos daquilo que não temos consciência.

 

Para quem está pensando em ter um bebe ou está grávida, veja esse vídeo sobre a importância da maternidade e paternidade conscientes com Dra. Eleanor Madruga Luzes, médica, psiquiatra, terapeuta junguiana, PhD em Ciência do Início da Vida.

“Se minha mãe que é minha mãe me abandona, quem não me abandonará”?