Abuso Físico

Abuso Físico Infantil

“Podemos esquecer o que nos disseram ou o que nos fizeram,
mas nunca nos esqueceremos
do que nos fizeram sentir”

 

– Abuso físico infantil: Uso da força física intencional, com o objetivo de ferir, danificar ou destruir, causando danos físicos a uma criança ou adolescente, ou atos de omissão praticada pelos pais ou responsável, deixando ou não marcas evidentes. É o tipo de abuso mais evidente e fácil de detectar, pois em geral, a criança apresenta sinais físicos da lesão que variam desde hematomas e cicatrizes até fraturas e danos internos de órgãos.

Muitas vezes o uso de força física é feito para compelir a vítima a fazer o que o adulto não deseja, sob o pretexto de educar, ferindo-a ou provocando-lhe dor, incapacidade ou morte. Pode ser utilizada como forma de poder, controle, manipulação.

Incluem-se os castigos corporais, como bater de forma descontrolada ou ainda utilizando-se de algum objeto, seja cabo de vassouras, panelas, panos molhados, cintos, ferro, pedaço de pau, correntes. Também é considerado abuso: bater, sacudir, arremessar, amarrar, chutar, morder, beliscar, envenenar, queimar, escaldar, afogar, sufocar, dar pontapés/socos, incendiar com fogo, jogar água fervente/ água fria. Assim como, tapas, socos, pontapés, surras, mordidas, estrangulamento, envenenamento, queimadura causada por objeto ou líquido quente, cigarro, ferro, colocar criança debaixo de água fria.

Pode haver também abuso físico por parte de irmãos mais velhos ou mais novos. Ou ainda, a violência na escola, por parte de colegas e/ou professores.

 

Abuso físico não é acidente

 

Abuso fisico

 

Em geral acontece dentro de casa, tendo como vítimas crianças e adolescentes e é geralmente cometido pelo responsável que deveria cuidá-los.

Lamentavelmente, a maioria dos adultos agressores alega necessidade de colocação de limites como forma de “educação”. Mas também pode ser resultado de uma infância de abuso físico dos pais quando crianças, perpetuando um padrão aprendido.

Foi provado cientificamente que crianças castigadas podem ser mais obedientes em curto prazo, mas em longo prazo tornam-se mais agressivas e destrutivas. Um efeito de longo prazo e muito comum da violência na infância é a geração de adultos violentos com parceiros ou filhos.

  • Assista Campanha Contra a Violência Infantil

 

A agressão física tem maior probabilidade de se desenvolver nas famílias cujos pais são de baixa idade, imaturos ou alcoólatras. Outros fatores de risco familiar pode ser resultado da privação econômica, discórdia familiar, divórcio dos pais, o baixo nível de educação dos genitores e a história de abuso de álcool e drogas.

Segundo estudos, as pessoas que mais cometem o abuso físico são a mãe (25,8%) e o pai (24,6%), seguidos pelo namorado da mãe (8,6%), babás do sexo feminino (6,3%) e pais adotivos (4,1%).

Uma criança espancada, arrastada, esbofeteada, ameaçada, dificilmente acreditará que é especial, importante e amada. O castigo físico corta o elo que a liga ao pai ou a mãe que a maltratam.

A emoção do passado, não resolvida, geralmente é usada contra a própria pessoa quando adulta. Exemplo: quando adulto, pode bater no próprio rosto com os punhos fechados, como sua mãe fazia com ele quando criança.

É importante saber que crianças que assistem à violência são consideradas vítimas do abuso físico, ou seja, mesmo que a criança não tenha sido agredida fisicamente, mas presenciou o pai espancar a mãe, as consequências serão equivalentes como se a mesma tivesse sido abusada fisicamente.

A criança agredida acredita que é a única responsável pelo abuso de que é vítima. “Ele me bate porque sou má”. Ou “meu pai era muito justo, portanto devo ter merecido o castigo”. Aprende a associar amor com agressão.

Para que esse tipo de abuso infantil seja inibido, foi promulgada a Lei Menino Bernardo que visa proibir o uso de castigos físicos em crianças e adolescentes.

Danos físicos também podem ser causados quando os pais ou responsáveis fingem sintomas de má saúde para a criança ou deliberadamente os causa, conhecida como Síndrome de Munchausen por procuração.

Síndrome do Bebê Sacudido é uma forma específica de abuso físico, e a principal causa de morte em casos de abuso infantil nos Estados Unidos.

– Acessar:

– Acesse também: